terça-feira, 14 de junho de 2011

Inúmeros problemas na gestão do Ministério da Educação

    


 Neste espaço gosto de falar de temas que dizem respeito à nossa Ilha, todavia, vez por outra, comento sobre assuntos nacionais que acabam mexendo com a vida de todos nós. Tenho certeza que incomoda muito ao povo brasileiro os resultados da gestão do Ministério da Educação. Na cesta de problemas que vieram ao conhecimento público nos últimos meses estão a falta de fiscalização e fraudes nas provas do Enem; a produção de cartilhas que estimulam os adolescentes a serem bi-sexuais; e agora manuais com diversos exercícios de matemática absurdamente errados - como a conta de subtração (10-4) cujo resultado foi 7. Esses três problemas trouxeram prejuízos incalculáveis para os cofres públicos, seja pelo dinheiro gasto com a produção gráfica e correção dos materiais do Enem e dos filmes para o kit homofóbico; como as cartilhas que ensinam de modo errado a somar e subtrair.

    É uma surpresa que o congresso e a oposição não peçam a substituição do Ministro Haddad, cujo desempenho à frente de um dos mais importantes ministérios tem sido de certo modo sofrível. Certamente, ele só é mantido no cargo porque seus padrinhos são fortes e as graves consequências dos erros do seu ministério não respingaram nos interesses de políticos. Prejudicar estudantes e ensinar errado parece não ser uma coisa muito grave no Brasil de hoje. Parece natural que os imensos prejuízos decorrentes dessas ações equivocadas sejam debitados na conta da viúva, enquanto professores são mal pagos e sobrevivem com salários ridículos. O episódio com o demissionário Ministro Palocci, que faturou mais de 20 milhões fazendo consultorias milionárias, é um escândalo menor se comparado ao prejuízo que a gestão do ministro Haddad já deu na educação. O incrível é que não há requerimento de CPI na Câmara dos Deputados, ninguém chia, e o Brasil vai formando pessoas com falhas na educação e conhecimentos duvidosos. Releia o poema “Tenho pena de mim” de Ruy Barbosa para ter certeza do que falo.