segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Ilha pode ser uma nova cidade

Com mais de 300 mil habitantes a Ilha do Governador tem população maior que algumas cidades do estado juntas. Enquanto isso, sua área é relativamente pequena: apenas 33km2, sendo cerca da metade dela ocupada pelo aeroporto e unidades militares. 
Existe, desde 1994, um projeto de lei, de minha autoria,  na Assemblía Legislativa propondo a transformação da Ilha em município. Mas enquanto a Lei Complementar 45 determinar que para o plebiscito de emancipação toda a cidade tenha que se manifestar é praticamente impossível surgir alguma nova cidade no Brasil. Qual o município que quer perder áreas prósperas, como o caso da Ilha do Governador?
Um rápido estudo econômico realizado há cerca de cinco anos já viabilizava a Ilha como uma cidade próspera. Com quase todas as suas terras ocupadas a arrecadação de IPTU é fantástica. O ISS, ICM e Imposto de Renda acumulados podem garantir uma gestão municipal superavitária. Sem contar taxas, multas, ITBI, etc, que são arrecadções extraordinárias e que podem ajudar a transformar a Ilha do Governador numa cidade próspera.
Eu acredito nisso. O passo inicial é tornar sem efeito a Lei Complementar 45, e convocar um plebiscito com a população da Ilha, democraticamente decidindo o seu futuro. Ou seja, ecolhendo entre continuar refem do humor e boa vontade do prefeito do Rio ou ter uma administração municipal própria, decidindo os problemas com rapidez.
O assunto merece reflexão.  Mas garanto que existiraão dezenas de motivos positivos e benefícios fantásticos para a população quando a região for uma cidade.