quarta-feira, 27 de abril de 2016

O inexplicável mau aproveitamento da Baía de Guanabara



             Continuo acreditando no potencial da Ilha do Governador para ser uma das melhores regiões da cidade para morar e instalar novos empreendimentos. Deixando de lado a questão da poluição das águas – que nos envergonha -, a Ilha tem condições amplas de prosperar e oferecer uma qualidade de vida melhor para os seus moradores.  O território da região está todo ocupado e gera receitas enormes para os governos cujas obrigações e investimentos em infraestrutura não retornam na mesma proporção.
             É incompreensível, por exemplo, que o transporte marítimo seja péssimo há tantas décadas e que absolutamente ninguém sério tenha apresentado pelo menos um plano para viabilizar a baía como uma grande via ligando diversos bairros e municípios. Facilitar a vida dos brasileiros com investimentos que tragam soluções de mobilidade urbana para a população parece um pecado capital daqueles que assistem de camarote o sofrimento do povo para se deslocar. Parece que eles gostam da estagnação no desenvolvimento.
             Em diversas regiões do mundo onde existem lagoas e rios, as águas são aproveitadas para a realização de transporte de cargas, passageiros e desenvolvimento do turismo. É inexplicável que as autoridades não fiquem constrangidas por não terem planos para esse mar de oportunidades que banha parte importante da cidade Maravilhosa. Além da possibilidade de gerar grandes negócios e milhares de empregos com o transporte de passageiros, a indústria da pesca precisa de incentivos e ideias para sair do caos provocado pela incompetência da gestão pública.
             Deus nos deu essa terra bela e maravilhosa, com uma baía para ser bem aproveitada para o bem do homem, entretanto só vemos águas imundas e improdutivas. Esta semana a notícia de que navios continuam a despejar na baía os resíduos dos produtos químicos usados para lavar seus tanques sujos perto das nossas praias, sem nenhuma repreensão, reflete a pouca importância que temos para as autoridades. É preciso fazer alguma coisa imediatamente contra o abandono em que nos encontramos. Falta consciência pública de que a Ilha é muito importante no cenário e economia da cidade. 
            Vamos agir?