domingo, 28 de maio de 2017

FALTAM ESTADISTAS NO BRASIL. ESCÂNDALOS EM SÉRIE LEVAM CONCEITO DOS POLÍTICOS PARA O ESGOTO.


             Acordos entre políticos sem escrúpulos e empresários bandidos produzem a pior crise institucional de todos os tempos no Brasil. A devastadora série de escândalos envolvendo personalidades cujo conceito foi para o esgoto é amarga e quase paralisa a nação, prejudicando milhões de brasileiros que assistem os acontecimentos estarrecidos.
            A falta de princípios dos líderes políticos e de empresários, criminosamente bem sucedidos, é um péssimo exemplo para as novas gerações que, na busca de bons exemplos de ética se decepcionam com as notícias de negociatas envolvendo propinas milionárias que roubam o dinheiro público sem pudor. O desespero dos quase 15 milhões de trabalhadores desempregados e de outros milhões de brasileiros doentes que acabam morrendo à espera de medicamentos e consultas é insuportável.
              Vivemos uma época sem estadistas. Os grandes homens públicos não existem mais e o espaço está ocupado por uma maioria de oportunista cuja prioridade é o seu próprio enriquecimento. Inexistem grandes tribunos e se multiplicam os fanfarrões que mudam de lado conforme as conveniências pessoais, deixando atrás de si terra arrasada para a população.
            É compreensível que muitas pessoas competentes e íntegras não tenham mais ânimo em participar de responsabilidades públicas para não conviver em ambientes onde a corrupção prospera e as verdadeiras aspirações dos brasileiros e da nação são vistas como simples argumentos eleitorais. Mas não há motivo para desanimar, o bem sempre vence. As transformações que o Brasil está vivendo, com dezenas de maus políticos nas prisões, se deve a ação corajosa de homens íntegros. Eles podem ainda ser poucos, mas as suas ações contra os corruptos nos encorajam a acreditar que o Brasil ficará mais forte após esse tsunami na política.

MOTOS NÃO RESPEITAM SINAIS NEM A POLÍCIA NA ILHA

             
              A insegurança nas ruas provocadas por centenas de motos que circulam sem placas ou com a placa encoberta, certamente para não ser identificada, é um absurdo. Nesta semana, estava parado em um sinal vermelho da Estrada do Galeão, no meio de outros veículos e alguns ônibus, quando duas motos, ultrapassaram o sinal fechado sem nenhum constrangimento. Mais adiante ultrapassaram uma viatura da PM sem serem abordados. 
               Diante de fato tão corriqueiro, alguns leitores podem me pedir para comentar, nesse espaço, sobre alguma novidade, porque isso todo mundo já sabe. O abuso e desrespeito das motocicletas contra as leis do trânsito nas ruas da Ilha, já não causa espanto para alguns, mas ainda afeta a maioria da população. A desfaçatez dos motoqueiros que cometem ilegalidades no trânsito, agride quem tem princípios e zela pela obediência às leis. É a parte do iceberg submerso das irregularidades no trânsito, também cometidas pelas vans e que precisam, urgente, ter mais fiscalização das autoridades.
             Também é inacreditável a velocidade que as motos circulam entre os carros, fato que além de assustar os motoristas, coloca em risco os pedestres que atravessam as vias nas faixas de segurança. Enquanto esses motoqueiros abusam dos limites e trazem problemas na fluidez do trânsito, os motoristas são obrigados a tomar cuidados extremos para não causar batidas em algumas delas e ferir gravemente os motociclistas que se arriscam em manobras perigosas e talvez não percebam a fragilidade a que se expõe entre os carros.
             Enquanto a polícia não agir de modo rigoroso e permanentemente contra a circulação de motos sem placas e motociclistas sem capacetes, eles vão entender que a polícia é conivente e continuarão a gerar ilegalidades no trânsito. Afinal, onde não existe fiscalização os irresponsáveis agem livremente.

terça-feira, 9 de maio de 2017

CLIMA DE INSEGURANÇA EXIGE ATENÇÃO MÁXIMA NAS RUAS

           

             Sobre o terrorismo disseminado nas redes sociais com informações falsas e alarmantes de ações de bandidos na Ilha do Governador, tem fundamento o alerta das autoridades que participaram da reunião do Conselho de Segurança da Ilha, realizado nesta semana. Sobre essas autoridades pesam as responsabilidades de garantir a segurança dos moradores além do patrimônio público e privado. Nas suas ações de combate ao crime nossos policiais colocam a própria vida em perigo e por isso são admirados pela população.
           Já basta a verdadeira e real onda de crimes que acontecem e se multiplicam por toda a cidade, agora surgem mensagens apócrifas no WhatsApp para preocupar a população que não consegue perceber o que é mentira explorada por bandidos. O objetivo dessas mensagens falsas é propositalmente apavorar as pessoas e aumentar o clima de medo.
             Claro que a situação de insegurança na Ilha é crítica. E todos nós precisamos estar alertas porque a bandidagem está agindo a qualquer hora e em todos os lugares. O cuidado em entrar e sair de casa deve ser redobrado e observado rigorosamente, como também é sensato ficar atento nas ruas seja caminhando ou dirigindo. Em algumas comunidades, onde os moradores são obrigados a conviver com bandidos, o clima também piorou e a população local reclama que, nunca aconteceu antes pessoas serem assaltada em plena luz do dia por marginais que covardemente subtraem os pertences e valores das vítimas.
           
Uma prova de que as coisas estão caminhando para o caos, é a imagem dos veículos incendiados e abandonados por criminosos, na estrada para Tubiacanga, como mostra a capa desta edição. É uma imagem absurda e vergonhosa da cruel e triste realidade da qual todos nós somos reféns. 

sábado, 29 de abril de 2017

CLIMA DE INSEGURANÇA APAVORA INSULANOS

          
Assaltos e roubos ocorrem contra motoristas, pedestres e residências
            
            É terrível constatar que a Ilha do Governador vive uma onda de violência como nunca aconteceu antes. Além de diversos crimes simples como assaltos a moradores e roubos de celulares, uma série de outros delitos estão sendo praticados, o que parece demonstrar que diversos grupos de bandidos estão agindo na Ilha.
            Não justifica nem ameniza saber que no resto da cidade a situação é pior e os crimes são mais graves, com balas perdidas por todo lado enquanto a polícia parece sem condições humanas e operacionais de dar segurança à população, diante da quantidade de crimes. Com isso a rotina do insulano está mudando e sair da Ilha à noite passou a ser uma aventura. 
            O perigo está rondando em todas as horas e lugares da região. Na segunda (24), um segurança privado da empresa Souza Cruz que fazia a escolta de um veículo foi morto no Tauá, por bandidos que tentaram roubar a carga. No final de semana, houve cinco roubos de veículos e três desses foram encontrados durante essa semana queimados próximo a unidade do Detran em Tubiacanga.  No Quebra Coco, os moradores de uma casa na Rua Primeiros Sonhos ficaram horas à mercê de armas e bandidos que invadiram a residência, na tarde do sábado, para roubar objetos de valores e dinheiro. Antes de sair ameaçaram voltar caso fossem denunciados.
              Na segunda à noite a filha de 16 anos, de uma conhecida empresária insulana, sofreu um assalto quando caminhava pela Rua Gustavo Augusto de Rezende , na Portuguesa e teve seu celular furtado por ocupantes de um carro prata que segundo o vigia de um condomínio próximo, costuma assaltar pela Portuguesa.
              O clima de insegurança mete medo.  

A ILHA QUER PAZ

             É preocupante, mas existem indícios de que criminosos de outras regiões da cidade como Maré e Duque de Caxias estariam praticando crimes na Ilha. O sinal veio de comerciantes alertando ao jornal que grupos de jovens estranhos e com atitudes suspeitas estão sendo vistos principalmente nas ruas da Ribeira e Zumbi. Por coincidência, recentemente alguns assaltos foram denunciados por vítimas daquelas regiões, situação que é preocupante para dois bairros que sempre foram tranquilos. 
            No Jardim Guanabara, esta semana um carro foi fechado por um veículo com bandidos e um motociclista, nas imediações da Rua Cambaúba e Marino da Costa. A motorista foi sequestrada, agredida e obrigada a sacar altos valores da conta bancária. Depois de ser ameaçada de morte e foi abandonada distante da Ilha. Fatos semelhantes a esse, de motoristas sendo seguidos por ruas da Ilha, estão se tornando mais frequentes e deixam os insulanos de cabelos em pé.
             Um morador, que tem absoluta razão, reclama da existência de grande quantidade de quebra-molas nas ruas da Ilha, alguns inúteis - porque não existe escola, hospital ou clínica de saúde perto - e favorecem a criminalidade no momento que o motorista se vê obrigado a diminuir a velocidade e fica vulnerável a ação, sempre rápida, dos criminosos, que contam com a distração dos motoristas.
             Por outro lado, continuam por todos os bairros da Ilha os assaltos praticados por motoqueiros pilotando motocicletas sem placas e roubando todos os pertences principalmente de mulheres que se sentem impotentes e desprotegidas. 
            A Ilha não é território de bandidos e espera ações contundentes da PM para acabar esses crimes. A Ilha quer paz.