sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Light atende mal a Ilha do Governador


            Mais uma vez a Light não age e grande parte dos moradores da Ilha ficaram sem luz por quase cinco dias. Desta vez foi em Tubiacanga e só após um protesto que bloqueou a Estrada das Canárias no domingo (8), é que a empresa resolveu solucionar o problema que aparentemente era simples. 
           No Cacuia, a qualquer momento, sem aviso prévio, moradores e comerciantes têm sido vítimas da falta de energia. Falta energia na rede e talvez de respeito do setor de operação da Light. Ninguém da empresa consegue explicar o problema que se prolonga no Cacuia há mais de dois meses. Alguns leitores relatam a queima de geladeiras, aparelhos de ar-condicionado e outros eletrodomésticos. Do lado dos comerciantes o problema é ainda pior: os prejuízos com a perda de equipamentos, clientes e mercadorias, sobretudo as estocadas em freezers. 
             A questão principal é que a falta de luz acontece a qualquer momento do dia ou da noite. Não há nenhuma comunicação e a Light age como se estivesse num sistema autoritário e a empresa fosse uma célula de organismo que não precisa dar satisfação à sociedade. Se a democracia é plena e o sistema jurídico funciona no Brasil, não há como não agir de modo republicano em defesa dos interesses dos prejudicados. 
             Contra a Light existem outras denúncias da população, como é o caso dos quatro postes, também localizados no Cacuia, e que obstruem algumas vagas de estacionamento de veículos. O Ilha Notícias publicou na edição da semana passada fotografias de postes que estão bloqueando vagas de estacionamento. Há mais de dez anos nada é feito para colocar a rede subterrânea com era previsto no Projeto rio Cidade do Cacuia para resolver o problema.
             Medidas judiciais precisam ser tomadas. É preciso garantir o fornecimento de energia sem as interrupções que trazem tanto desconforto e prejuízos a todos nós da Ilha.