sexta-feira, 14 de março de 2014

Ilha do Governador conta com a eficiência da PM


A população da Ilha reconhece o bom trabalho do 17ºBPM

           A ação da Polícia Militar nessa semana é digna de registro.  Na noite da segunda (10), após ser acionada por um morador que percebeu a ação de quatro homens assaltando a casa de um vizinho, no Quebra Coco, a polícia cercou a residência das vítimas e colocou os bandidos em fuga. Após a perigosa perseguição com troca de tiros, a PM feriu gravemente um dos criminosos que mais tarde morreu no hospital, e apreendeu um outro membro da quadrilha menor de idade. Ao mesmo tempo, já na Rua Cambaúba, distante da casa onde houve a tentativa de assalto, a polícia ainda perseguia os outros dois ladrões que roubaram um veículo. Em alta velocidade os fugitivos rumaram em direção à Praia da Bica quando provocaram um acidente na Praça do Grego, destruindo parcialmente o quiosque conhecido como "Podrão".
            Imediatamente os dois bandidos foram presos. A operação da PM foi profissional e evitou que se consumasse um assalto, garantindo a segurança dos moradores e do seu patrimônio. Se não houvesse a ação da PM não se sabe como agiriam os bandidos com as vítimas, que nesses casos acabam sendo sequestradas para sacar dinheiro nos caixas eletrônicos e sofrem agressões covardes.
            Em outra operação que demonstra a coragem e determinação dos policiais do 17º BPM aconteceu na quinta (13), quando a polícia foi chamada a acudir moradores que estavam sendo importunados por homens armados no Boogie Woogie. Ao serem avistados, os PMs foram recebidos por tiros mas conseguiram dominar a situação ferindo um dos homens e matando um outro. A suspeita da polícia é de que os homens eram traficantes. A determinação e treinamento dos agentes da PM traz uma luz para o orgulho da população que reconhece nesses policiais um exemplo da verdadeira polícia.
            A repercussão dessas notícias no jornal gerou cerca de dois mil compartilhamentos na página do facebook do jornal, numa demonstração expressiva do interesse da população, cujos comentários foram unânimes em apoiar e aplaudir o excelente trabalho da PM. Parabéns ao comandante Corpas e ao seu corajoso batalhão.

joserichard@uol.com.br
www.twitter.com/joserichard

terça-feira, 11 de março de 2014

A crise do lixo na Cidade Maravilhosa deixou ensinamentos


Lixo abandonado nas ruas prejudicou imagem da cidade

           Essa greve da Comlurb que acabou deixando uma péssima imagem da cidade maravilhosa para os turistas só pode ter tido origem em algum movimento político oportunista. É resultado de coisa planejada para prejudicar a população, atividades produtivas e principalmente quem governa. Ou seja, incomodar todo mundo. A sorte é que não desabou nenhum temporal forte cuja consequência poderia inundar parte da cidade e causar algumas tragédias. Aí o plano teria tido êxito e os algozes satisfeitos com a desgraça alheia.
             Na verdade, os salários dos garis estavam baixos. É uma profissão cuja insalubridade deveria ser compensada com recompensas maiores e deixar sempre satisfeito quem é obrigado a colocar sua saúde em risco para botar as mãos em todo perigo escondido em sacos ou latas de lixo. Acredito, que a greve é um instrumento democrático e republicano dos cidadãos demonstrarem suas insatisfações e reivindicarem bases salariais justas. Mas detesto a estratégia de colocar na mesa de negociação o caos e prejuízos como argumento para obter vantagens, mesmo que justas.
         Aos garis foram atribuídas todas as eventuais falhas da Comlurb. Sem eles a cidade ficou nojenta de tão suja. Mas é disso mesmo que se aproveitam os oportunistas que apostam na confusão e geram clima de insatisfação apenas para proveito próprio. Existem argumentos suficientes ao lado dos garis para reivindicar aumentos que sejam justos pelo esforço que fazem. Mas precisam escolher melhor seus líderes e avaliar a força e responsabilidade que têm, fundamentados na importância do trabalho que realizam. A cidade não merece, nunca, ser refém do lixo. 
           Portanto fica a lição aos governos para serem justos com seus servidores, todos eles, mas principalmente garis, médicos e professores. Cada cidadão e a coletividade depende dos seus esforços e bons serviços. É essencial que recebam salários justos. Ou mais!!!

joserichard@uol.com.br
www.twitter.com/joserichard