segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Crise histórica sacrifica trabalhadores

         
 Muitas famílias vivem em situação de de miséria
             
             No momento que o país está mergulhado em uma crise econômica histórica e com muitos brasileiros sofrendo com o desemprego, resultado da má gestão do governo federal, somados aos inúmeros casos de corrupção e propinas milionárias prospectadas por dirigentes de estatais que fulminaram com os cofres públicos, o ministro da Fazenda Francisco Levy, pede que a população entenda e suporte ainda mais sacrifícios, é um absurdo.
              A vida nos gabinetes luxuosos talvez não tenha proporcionado ao ministro Levy a sensibilidade para entender o que é o sofrimento de um chefe de família que fica desempregado repentinamente, como tem acontecido, por exemplo, com os trabalhadores das empresas que terceirizavam serviços ou tinham grandes navios encomendados pela Petrobrás ou suas subsidiárias. 
            São dezenas de milhares de famílias que estão vivendo no desespero. E o governo, na quarta (5), propõe que o povo brasileiro seja leniente e colabore com mais sacrifícios através das absurdas medidas contidas nos ajustes fiscais. Todas contra a população e as empresas.
              Ora bolas, quem mentiu e administrou mal não foi o povo. Para vencer a eleição o governo diminui a conta de luz e vendia gasolina a preço menor daquele que importava. Natural que um dia o país ia quebrar. Sem rumo, agora querem culpar a população e colocar a conta nos ombros dos trabalhadores. Erram novamente. 
              Acertariam se tivessem a coragem de diminuir o próprio tamanho, reduzindo para uma meia dúzia o número de ministérios e adotando medidas severas contra os bandidos da corrupção, como faz a justiça de Sérgio Moro. Não tenho boas expectativas, acho que falta humildade e sobra incompetência.