sexta-feira, 12 de abril de 2013

Cidade limpa!!!


A prefeitura vai colocar em prática a lei que multa as pessoas que jogam lixo no chão da cidade. A novidade é muito bem vinda e a fiscalização deve começar em julho. Embora a aplicação da multa divida opinião entre os juristas, a medida pretende mudar a cultura da população carioca e dos visitantes.  Algumas cidades do planeta já adotam legislação semelhante, e, em Singapura, que é uma das metrópoles mais limpas do mundo, o valor da multa chega a mais de 6 mil reais.
 
A medida da prefeitura é boa, mas só vai colar com uma intensa e permanente campanha de educação do povo. Entretanto, é obrigação da Comlurb, melhorara seu desempenho e distribuir pela cidade coletores de lixo maiores, tipo contêineres, de modo a suportar maior quantidade de detritos produzidos, sobretudo em zonas residenciais onde a coleta ainda não tem uma logística adequada. Exemplo terrível aqui na Ilha, são as montanhas de lixo que ficam derramadas pelas calçadas da pista de ciclismo da Estrada Rio Jequiá. Tudo por absoluta falta de recipientes no tamanho proporcional à quantidade de lixo que os moradores colocam no local. Já nas lixeiras cor de laranja, presas aos postes de qualquer rua, é comum ver lixo acumulado ao redor delas, exatamente porque são muito pequenas.  A solução dos grandes coletores já é realidade em diversas capitais brasileiras, onde cada quadra tem um deles e a operação de troca é feita a qualquer hora com rapidez. 
 
Não há dúvidas que a maioria dos cariocas – com exceção dos porcalhões — está aplaudindo a atitude da prefeitura. As campanhas educativas deverão incluir todas as escolas de modo a levar uma nova cultura as crianças e adolescentes que acabam influenciando a própria família. Claro que vai ser difícil botar um pouco de civilidade na cabeça dos idiotas que jogam latas de refrigerante pelas janelas dos veículos. Não será necessário chegar ao exemplo de Singapura que pune os vândalos e pichadores com chibatadas, mas, na Ilha do Governador, diante de tantos prédios pichados, as autoridades poderiam também agir e colocar em prática ações punitivas para acabar com esse crime.