sexta-feira, 12 de agosto de 2016

SUSPENSÃO DOS SERVIÇOS DAS BARCAS POR MAIS 2 DIAS VAI PREJUDICAR A POPULAÇÃO DA ILHA

A Estação do Cocotá não vai funcionar na quinta (18) e segunda (22),
 porque a CCR Barcas decidiu não fazer o trajeto Ilha x Centro

              Tratar o problema da ineficiência dos serviços de barcas como um assunto pequeno é um desrespeito a milhares de pessoas que precisam desse transporte como uma opção para chegar ao Centro da Cidade, sobretudo nos dias de caos no trânsito, que lamentavelmente são bastante comuns.
             Foi irresponsável a atitude da concessionária, que administra as barcas, cancelar o serviço no trajeto entre a Ilha e o Centro na quinta e sexta (4 e 5) da semana passada, em razão do feriado que beneficiou apenas os funcionários públicos e prestadores de serviços. Nesses dois dias funcionaram normalmente todas as lojas, o comércio de rua, shoppings e restaurantes entre outras atividades econômicas. Na Ilha o movimento foi intenso.
             Pegos de surpresa, trabalhadores e consumidores ficaram desorientados com a decisão da concessionária que não agiu para servir a população, mas priorizou os seus interesses, diante de uma possível queda de faturamento.
            Agora, a concessionária CCR Barcas, anuncia que vai suspender novamente o serviço, nos próximos dias 18 e 22 (quinta e segunda), pelos mesmos motivos, repetindo a atitude irresponsável e desrespeitando, mais uma vez os passageiros, que usam o transporte, que, aliás, é considerado ruim pela população. 
            O governo estadual tem que tomar uma atitude em defesa da população, advertindo a empresa e, ao mesmo tempo, exigir que ela mantenha as barcas funcionando normalmente nesses dois dias. A população não poder ficar refém de decisões absurdas que a prejudicam e geram graves prejuízos a todos nós.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

TRANSTORNOS NO TRÂNSITO COMPLICAM O FLUXO DE VEÍCULOS NA ILHA E GERAM PREJUÍZOS PARA OS MORADORES

Uma das razões dos longos congestionamentos é 
a inexistência de agentes para organizar o trânsito  

              Uma das coisas que deixa o insulano muito chateado é o absoluto desinteresse das autoridades públicas para resolver os problemas de trânsito e de mobilidade urbana na Ilha.
              O trânsito de saída da Ilha, pela manhã, durante os dias de semana é quase sempre caótico. Igual ou pior que o da Linha Vermelha, que divide com a Avenida Brasil o fluxo de populosas cidades da baixada fluminense. 
             No final da tarde, na inversão do fluxo, a pista de entrada da Ilha também costuma engarrafar quase até a Praça do Avião, tudo em consequência da desordem no ponto de ônibus localizado na Portuguesa. Nesse local, vans costumam simplesmente estacionar até fazer a lotada, fato que acaba retendo a fluidez do fluxo de veículos. Coisa simples, mas cujos transtornos atrapalham significativamente a vida dos demais motoristas.
             Inexiste, na Ilha, atuação dos órgãos públicos responsáveis pela fiscalização no trânsito. E, enquanto eles forem omissos a população sofre nos congestionamentos, a perda de tempo provoca prejuízos para todos.
             O tempo gasto da entrada da Ilha até o relógio do Cacuia, cuja distância se aproxima de uns 5 quilômetros, é um exemplo do absurdo. São sete sinais absolutamente dessincronizados e nenhum policiamento para orientar os motoristas e impedir as grosseiras irregularidades provocadas pelas vans.  
             O morador da Ilha merece mais respeito e exige atitude para resolver o abandono no trânsito e na mobilidade urbana, onde faltam barcas e vans provocam desordem nas ruas.