sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Mensalão acha cadeia ruim

            
            A cada dia surgem novidades inacreditáveis no Complexo Penitenciário da Papuda, cadeia que mantêm presos os condenados pelo mensalão. Os presidiários de primeiro escalão utilizam todos os argumentos e subterfúgios possíveis para não cumprir as penas atrás das grades.
            O ex-presidente do PT, José Genuíno, por exemplo, alegou fragilidade na saúde para ganhar prisão domiciliar, mas duas juntas médicas constataram que sua saúde é normal e que a prisão, neste momento, não é uma ameaça de morte. Ainda assim, por bom senso a justiça permitiu que ele permaneça mais alguns dias em casa.
            O caso de outro ex-presidente do PT, José Dirceu, mete medo, pela complexidade daquilo que está por trás da organização que generosamente lhe ofereceu emprego para justificar a prisão pelo sistema semiaberto.
            Acho natural que eles lutem para se livrar das prisões, embora, nos últimos sete anos tenham esgotado todos os recursos legais para não serem condenados pelo STF. Todavia, usar métodos suspeitos para ganhar benefícios no cumprimento da pena tira qualquer vestígio de valor pessoal que ainda lhes restam. E, fazer-se de prisioneiro político é demais. O governo que estava no poder quando cometeram os crimes de posse do dinheiro público é o mesmo de agora. Se eles foram usados pelo sistema ou, se a apropriação de valores públicos era uma prática comum para eles, não justifica se pronunciarem agora como inocentes.
            Cumprir a pena com dignidade seria uma demonstração de firmeza de caráter e coragem. A história os julgará. O que algumas organizações querem é lhes dar status de mártires.