sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Ilha Notícias comemora 38 anos de fundação

              Desejamos agradecer aos leitores, anunciantes e amigos do Ilha Notícias pelo prestígio, confiança e apoio que nos proporcionam a oportunidade de comemorar mais um ano de fundação. A primeira edição do jornal circulou no dia quatro de setembro de 1976, durante o desfile da Semana da Pátria, que naquela época era realizado na Avenida do Magistério.  Hoje, depois de 1692 edições o jornal mudou de sede algumas vezes e o estilo gráfico ficou mais moderno. Entretanto, continua o mesmo nos seus propósitos e princípios. Nada nos fez mudar o rumo. Continuamos a produzir conteúdos informativos e de prestação de serviços de qualidade para os moradores da Ilha do Governador. Obstinados, olhamos em direção ao futuro e pretendemos continuar participando de modo firme e positivo na vida insulana pelo tempo e vontade de Deus.
             Consideramos importante destacar que a nossa obrigação para executar a tarefa de colocar nas ruas, semanalmente, o Ilha Notícias tem em primeiro lugar a referência de valores cristãos, completamente comprometidos com a seriedade e responsabilidade na produção das notícias e serviços de utilidade pública, que o jornal oferece gratuitamente aos seus leitores. Queremos continuar lutando cada dia com mais vigor pela Ilha do Governador, agindo, sobretudo, de modo independente como o porta voz dos moradores e a tribuna de denúncias contra o que está errado e é injusto.
              A força e importância do Ilha Notícias pode ser avaliada, atualmente, pela expressiva quantidade de exemplares da edição impressa que circula as sextas, cujo conteúdo se multiplica nas plataformas da edição virtual, na internet e nas redes sociais, contando mais de meio milhão de leitores. Isso é confiança.
             Obrigado Ilha do Governador! Estamos juntos há 38 anos.

joserichard@uol.com.br


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Poluição na Baía de Guanabara exige mais atitude

A Praia da Bica sem as línguas negras  
              
             A questão da despoluição da Baía da Guanabara é uma luta que deveria ser enfrentada de modo permanente e em conjunto por todos os governos das áreas afetadas. É inaceitável que os governos federal e estadual não contem com a participação absoluta de todas as cidades cujos rios ajudam a fertilizar as terras e desaguam na Baía de Guanabara. Essas cidades e as do entorno da Baía deveriam ter responsabilidades mais sérias no conjunto de ações pela despoluição com legislação fiscalizadora atuante e punitiva, abandonando a postura contemplativa.
              É grave e vergonhosa a qualidade da água da Baía de Guanabara, sobretudo após períodos de chuvas quando tudo o que há de podre nos rios é despejado criminosamente na Baía. Vai ser complicado esconder isso do planeta nas Olimpíadas de 2016. Há poucos meses, o prefeito do Rio declarou que o problema não será resolvido até lá, fato que não criou nenhuma polêmica porque a população também acha isso.
               Conheço o trabalho específico de algumas autoridades que trabalham sério para diminuir a quantidade de esgoto orgânico. Na Ilha já foram feitas obras que acabaram com as línguas negras na Praia da Bica e é reconhecido o esforço pontual dos dois minúsculos Ecobarcos que diariamente retiram o lixo flutuante na orla em frente ao Jardim Guanabara. 
              O problema é grave e exige soluções contundentes. É preciso denunciar, principalmente, os despejos criminosos de produtos químicos ao longo das margens dos rios até a Baía. É um absurdo o que há décadas devasta o meio ambiente e a vida marinha, além de causar doenças naqueles que se arriscam a banhar-se em águas suspeitas. Isso só terá solução através de uma nova atitude do carioca, exigindo dos governos ações permanentes e denunciando empresas e outros agentes poluidores, incluindo indivíduos cuja ignorância age como se os rios e a Baía de Guanabara fossem uma lata de lixo.
joserichard@uol.com.br