domingo, 23 de outubro de 2016

A ABSURDA EXTINÇÃO DE 14 VIAGENS DE BARCAS DIARIAMENTE, PREJUDICA SERIAMENTE A POPULAÇÃO DA ILHA DO GOVERNADOR

As barcas estão indo embora
Ligação entre a Ilha do Governador e o Centro
 perde 14 viagens por dia, a partir de novembro

            É inaceitável a extinção de 14 viagens da barca nos trajetos de ida e volta entre a Ilha do Governador e o Centro da cidade, conforme anunciou a concessionária CCR Barcas, para vigorar a partir de 1º de novembro.
           Em uma concessão pública, termos legais e decentes exigem que a empresa que explora o serviço, em nome do Estado, cumpra suas obrigações mínimas na operação para atender bem a população. Um exemplo de como é grave a extinção de horários nas barcas, seria supor, que a concessionária da Linha Amarela decidisse interromper o trânsito na via, no horário da madrugada sob o argumento que o fluxo de carros diminui muito e não compensa manter em operação equipamentos e funcionários. Foi mais ou menos isso que a CCR Barcas fez com os insulanos ao extinguir 14 horários, com a conivência do Estado.
            A medida é um dos maiores absurdos contra o direito de ir e vir da população insulana, cujos horários e compromissos estão adaptados às viagens anteriormente estabelecidas pela CCR. Os prejuízos e desconforto são inaceitáveis para todos que tem a rotina programada nos horários atualmente existentes no transporte marítimo.
            A Secretaria de Transportes do Estado nunca poderia ceder aos interesses da CCR Barcas e permitir a operação do sistema hidroviário apenas em horários da conveniência da companhia. O Estado tem o dever de proporcionar meios de transporte à altura da necessidade e importância da comunidade da Ilha do Governador, cuja única alternativa é a saturada Estrada do Galeão.
            Aliás, o trânsito que já está complicado na Ilha, vai ficar mais congestionado com o reforço de mais ônibus em nove linhas para o Centro da cidade, conforme decisão da Secretaria de Transportes, para compensar a extinção dos 14 horários das barcas. A mobilização da sociedade contra essa medida absurda precisa ser rápida e forte.

10 comentários:

Caraca disse...

Que tal verificar se o contrato específica horários ou se é oferta de passagens/dia antes de escrever besteira ?

Caraca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Como se já não bastasse a barca ser velha,e agora no horário das 8:00 da manha tem um grupo de homens(homens velho)passa a viajem inteira gritando e gargalhando bem alto na barca,uma hora escutando cada merda e nenhum funcionário da barca vem colocar alguma moral.

Anônimo disse...

Marinheiro não é polícia !

A. Fernando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A. Fernando disse...

O objeto do contrato é a prestação de serviço PÚBLICO e não enriquecer a concessionária. Todo e qualquer levantamento deve levar em consideração o impacto aos usuários, que pagam caro por um serviço que já é um LIXO.
E tem mais: Aí tem conluio com essas empresas de ônibus da Ilha, que irão colocar só frescão a preços absurdos.
O trânsito vai ficar ainda mais caótico.

Excluir

Anônimo disse...

Nós insulanos temos que fazer uma mobilização contra essa medida absurda já.

Anônimo disse...

Exatamente

Anônimo disse...

Como todo o resto do povo brasileiro, o insulano é um tremendo de um bundão. Já viu 2 abalroamentos de barca, ja ficou à deriva, ja cansou de se atrasar para o trabalho por que a CCR resolveu atrasar 20 minutos e colocar uma barca mais lenta, paga R$ 11,50 num frescão que é assaltado todo dia, quando não caindo aos pedaços (da paranapuã) e os onibus de R$ 3,80 passam quase nunca, lotados, sem ar e vão pela av. Brasil.
Depois pegam e elegem Tania Bastos e Familia Pereira.
Insulano é burro, tem que pegar 4 horas de transito por dia sim, tem que se ferrar sim!

GRAÇA disse...

Muito ruim ficarmos à mercê de políticas que não ligam para a populaçao. Tenho filha que faz estágio na Ilha e com certeza deverá se desligar do estágio pois sai de manha de casa e vai direto para a Faculdade a noite... E agora??? Muito triste isso.